Wake me up when September ends.

Setembro é a sensação de descida da montanha russa. É orquídea que renasce na sua casa quando você já tinha se esquecido o quão delicados os pequenos gestos podem ser. Setembro é cor onde os olhos alcançam, é temperatura certa, é uma luz que não precisa de filtro. Setembro é flor no alto aqui e folha no chão lá. É nascer e morrer pra reviver.

Setembro é dos virginianos, essa turma que veio ao mundo para organizar o caos, dividir as gavetas de roupas por cor, essa gente que impõe senso crítico num mundo acéfalo e que luta pela perfeição, custe o que custar. Setembro é o momento de separar o joio do trigo, de colher uva para preparar o champagne, é hora de comemorar a independência de um Brasil dependente e de relembrar o dia que mudou o mundo pós-contemporâneo e semi-apocalíptico.

Setembro é tudo isso e tantos mais. Mas ainda assim é só um mês. Não vai ser setembro, nem janeiro, nem a noite de Réveillon. Vai ser você. Dê boas vindas a você, a um novo pensamento, a uma nova vontade. Não crie expectativas para um mês que só tem a função de encher um calendário.

No fim das contas, o que importa é saber se setembro chove.
☂ ☼ ♡

Obrigada.

Deve ser incrível você depender da generosidade e das boas intenções de quase todo mundo, quase o tempo todo.
Hoje vi uma cena que me deixou arrepiada.
Estava sentada num banco de uma galeria lendo, quando uma moça nova, bonita e muito simpática parou do meu lado. De repente senti alguma coisa batendo nas minhas pernas e só então olhei pra ela, que estava parada em pé mexendo no celular.
Percebi que era cega.
Perguntei se queria sentar, ela abriu um sorriso e disse: “me mostra onde tem um espacinho?”
Começamos a conversar e ela contou que estava esperando uma amiga com a filha, que era sua afilhada.
Quando a menina chegou, abraçou ela por trás e falou:
“Dinda! Que saudades! Olha quem eu trouxe pra você conhecer, a Lara, minha boneca nova! Vou descrever pra você: ela é um bebê lindo, meio branca meio rosa, tem olhos pretos, assim, iguais aos seus, e cabelo enrolado assim, igual o meu. Ela podia ser nossa filha dinda!”

A dinda gargalhou e abraçou a boneca, a criança riu e perguntou:
“Dinda, ela é sua amiga?”
(apontando pra mim)

E ela respondeu:
“É sim, Lulu, é daquelas amigas que a dinda faz sempre que sai de casa. E que sempre agradece no final do dia, lembra que já te contei isso?”

“Lembro…”
E olhando pra mim:
“Obrigada por ajudar minha dinda, ela não enxerga, mas o coração dela sim!”

Aham, depois de um furo, um trote e de andar um tanto na chuva, meu dia começou cheio de alegria com uma criança livre de preconceitos e com alguém que conta sempre com o melhor de qualquer ser humano.

Obrigada Lulu. E obrigada Dinda da Lulu. ❤️

Sério?

Eu não quero estar em um relacionamento sério. Nunca. Nem hoje, nem semana que vem, nem em dez anos. Nem se eu estiver estabilizada na vida, nem se eu estiver carente e sozinha, nem se o homem mais interessante do mundo aparecer. Aliás, principalmente se o homem mais interessante do mundo aparecer.
Sério é o meu relacionamento com meu porteiro, e olhe lá. Volta e meia conversamos sobre algum assunto que nos faz rir. Só quero ter relacionamentos sérios com quem não gosto. Com o mal educado da fila do mercado, a moça que não segurou a porta do elevador pra uma velhinha na minha frente, o infeliz que não limpa o cocô (tem acento ainda?) do cachorro da calçada…
Com quem eu gosto, quero ter relacionamentos leves, divertidos, coloridos.
Relacionamentos que acrescentem sem pesar, porque de pesada já basta minha bolsa. Relacionamentos que não façam cobranças, porque eu quero me doar por vontade própria. Relacionamentos leves, que respeitem a identidade individual, que não tentem nos tornar um só, com os mesmos gostos, as mesmas vontades, as mesmas neuras. Ao contrário, que nos ensinem a gostar de coisas novas, a pensar diferente, abrir a cabeça, a entender que essa história de metade da laranja não funciona nem pro próprio Fábio Jr (tá casado com quem agora, mesmo?).

Ok, “relacionamento sério” é só um título, uma maneira de chamar. Mas em alemão, por exemplo, esse termo é substituído por “está apaixonado por”. Muito mais querido, não?

Mais do que o botão de dislike, acho que está faltando nas redes sociais outras maneiras de descrever o amor. Sério não é uma palavra que faça jus à grandeza desse sentimento. Não é um relacionamento enrolado, não é um relacionamento aberto. É um relacionamento livre, em que ambas as partes escolheram estar, não por carência ou comodismo. Não porque não-tem-tu-vai-tu-mesmo, mas porque foi uma escolha entre estar feliz solteiro ou estar mais feliz ainda com essa pessoa. É um relacionamento leve, porque os dois têm consciência de que estão juntos porque querem, e sabem que ninguém é obrigado a levar isso adiante se não se sentir valorizado, amado e feliz. É um relacionamento dinâmico, porque permite o crescimento mútuo e entende que vamos passando por fases ao longo da vida, mas que alguma coisa deve se manter desde a origem, e é o que os fará permanecer unidos, mesmo que não sejam mais como eram quando se conheceram. É um relacionamento divertido, porque te dá liberdade de rir sem culpa, viver sem pudores, virar criança em alguns momentos e reinventar o kama sutra em outros.
Ao invés de o facebook investir em tantas mudanças de layout e outras bobagens, bem que Mark e sua turma podiam ampliar o leque de status afetivos, né? Talvez se existissem mais maneiras de definir os relacionamentos nas redes sociais as pessoas acabariam se questionando que tipo de relacionamento elas de fato têm.
Por mais boba que seja a pergunta, acredito que entre “estar em um relacionamento sério” ou “estar em um relacionamento divertido”, a maioria das pessoas optaria pelo segundo. Pelo menos para manter o status.
❤️

Ninguém sabe.

Eu sei que ele sorri sozinho quando recebe uma mensagem minha, eu sei que ele sente meu cheiro quando anda distraído pela rua, eu sei que ele ouve aquela música e sente vontade de me mandar uma mensagem só pra dizer que lembrou de mim, eu sei que depois de muito tempo sem falar comigo, ele inventa qualquer desculpa só pra saber se eu estou bem, eu sei que toda aquela implicância, tem um só motivo, eu sei que ele já teve muitos amores, mas o que ele sente por mim é diferente de tudo isso, de repente nem é amor, só se sabe que dá frio na barriga, dá vontade de abraçar até esmagar, dá vontade de ver o tempo todo, dá vontade de estar o tempo todo, dá vontade de sentir o tempo todo, bem pertinho.
Eu sei que ele não sabe o que é, mas ele gosta de sentir. Eu sei que ele tem medo disso não passar de um sonho bom, eu sei que ele conversa mais comigo do que com alguns amigos antigos, eu sei que ele me conta mais coisas do que gostaria, mas quando percebe, já falou. Eu sei que na hora de dormir, tudo que ele queria era um beijo no pescoço e um boa noite ao pé do ouvido.
Eu sei que ele sente falta.
Aconteceu, eram dois estranhos, que se cruzaram por um acaso do destino, e se apaixonaram por palavras, por atenção, por carinho falado e escrito, por companhia, se apaixonaram um pelo outro.
De repente nem é amor, mas o nome disso, ninguém descobriu ainda.

E se?

E se toda sexta, fosse dia de feira. E se toda segunda fosse feriado, e todo domingo, chuvoso. E se o final de semana durasse cinco dias. E se as férias durassem seis meses. E se todo trabalho fosse diversão.
E se todo sorriso fosse visto e todo olhar retribuído. E se cada palavra fosse pensada, e todo impulso, certeiro. E se cada sussurro arrepiasse, e todo toque comprometesse.
E se o “eu e você”, fosse “nós”. E se todo abraço fosse apertado. E se todo carinho fosse de verdade. E se cada caminho fosse um final feliz. E se todo ponto não fosse final. E se cada virgula fosse um suspiro. E se toda panela tivesse sua tampa, e cada pé descalço encontrasse seu sapato velho. E se o final feliz fosse obrigatório.
E se toda fome fosse de atenção, e toda sede de paixão. E se ladrão, fosse só de corações.
E se toda mãe fosse vidente. E se todo filho não fosse único. E se toda criança fosse fonte de amor. E se todo amor fosse correspondido. E se uma esperança não fosse possível de ser quebrada.
E se toda nuvem fosse de algodão. E se toda piscina fosse de suco de uva. E se doce não engordasse, e bala não fizesse mal pros dentes. E se tudo que reluz fosse ouro, e se tudo que é bom fosse de graça.
E se todo fim tivesse um recomeço. E se todo recomeço fosse uma página em branco.
E se passado não fosse coisa de museu. E se toda história tivesse uma segunda chance. E se todo personagem pudesse se reinventar. E se contos de fadas existissem.
E se cada esquina fosse uma viagem. E se cada viagem fosse uma nova vida. E se fotos falassem. E se cada livro lido, fosse uma graduação. E se toda passagem fosse só de ida. E se todo desconhecido fosse seu amigo. E se você pudesse colocar sua vida numa mala.
E se o “pra sempre” fosse verdade. E se toda surpresa, fosse boa.

Marcella Vasconcellos

20140516-112439.jpg

Passou.

ImagemEu já me perguntei o que eu estava fazendo da minha vida, já questionei se pro meu problema eu ia encontrar uma saída, se me faltava sorte ou era só a vida distraída. Já olhei pro fundo do poço, lutei para não largar o osso, fiquei tão tenso a ponto de ter que imobilizar o pescoço. Já me desiludi, deixei de acreditar, dormia, acordava e me esquecia de sonhar. Já me envergonhei da descoberta de certos sentimentos, fiquei refém dos mesmos lamentos, me afoguei em uma tormenta de maus pensamentos. Já me vi e não me reconheci, já soltei quando não queria deixar ir, já falei coisas que ninguém merecia ouvir. 

Já fiquei quando deveria fugir, já chorei quando era só questão de sorrir, já errei, acertei e não me arrependi. Já tive preconceito, fiz o que não deveria ser feito, quis que tudo fosse exatamente do meu jeito. Já fui pedante, arrogante, tive opiniões que mudavam a todo instante. Já gostei de quem não devia, já escolhi ser triste e enterrei a alegria, já joguei no lixo dia após dia. Já fui eu de verdade, já fui só a metade, já pensei que era amor quando era só amizade. Já sofri com problema alheio, esqueci do acelerador e insisti no freio, optei pelo óbvio, pelo fácil, pelo caminho do meio. 

Já fui mais azar do que sorte, mais fraco do que forte, menos cicatriz e mais corte. Já deixei de dizer a que vim, de cuidar do que era importante para mim, já ouvi um não quando eu só queria dizer sim. Já me deixei de lado, falei quando devia ter ficado calado, me intrometi onde não tinha sido chamado. Já fiz tudo errado, criei histórias sem o menor cuidado, me prejudiquei e não me senti culpado. Já foi, é passado, não tem mais espaço para me sentir frustrado.

 
 
rio10

Rio de Janeiro e seus postais.

Cuidado, prepare-se para fotos chocantes.

Aprecie sem moderação.

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

 

riodejaneiro

Simples assim.

A vida vai te bater, te ofender, vai te olhar e não vai te ver. A vida vai te fazer sentir especial, vai jogar no lixo o seu manual, vai te regar, te transformar em Carnaval. A vida vai te sufocar, te maltratar, te fazer agir sem ter tempo para pensar.

A vida vai ser leve, te fazer rir, contar histórias para você dormir, criar canções para você ouvir, colar pedaços quando alguém partir. A vida vai te oprimir, dar rasteira e te fazer cair, vai te enganar, vai te trair. A vida vai te confundir, vai te estragar, te reprimir, te difamar, te destruir, a vida vai te obrigar a ficar quando você quiser sair.

A vida vai te defender, vai te cercar, te proteger, vai te escutar, te entreter, vai te abraçar, vai te perder. A vida vai te exigir postura, vai ser infantil, mimada, imatura, a vida vai te provar que ninguém a segura. A vida é cavalo selvagem, indomável, linha de pensamento inviável, a vida é um milagre improvável. A vida é cauda de pavão, é revoada de balão, pescoço cheio de chupão, é acelerar na contramão.

A vida é abismo, precipício, a vida é hospício, sacrifício. A vida é festa de criança, é ano novo, é esperança, a vida é lucro e é cobrança. A vida é dia após dia, é ferro corroído pela maresia, música atravessada, sem harmonia, a vida é tristeza e também alegria. A vida é muito para os amadores, pouco palco para bons atores, a vida é fato em meio a rumores. A vida é a gente quem faz, uns dias menos, em outros mais, tempos de guerra e tantos de paz, a vida é seguir e não olhar para trás. ❤️

Marcella Vasconcellos.

Um cadin de Brasil por aqui, sô!

Hoje não tem texto, não tem frase filosófica nem pensamento famoso.

Tiradentes, MG.

Tiradentes, MG.

Somente temos fotos, fotos e mais fotos da nossa querida Minas Gerais. A gente sempre quer viajar e ás vezes acaba esquecendo das delícias que temos aqui pertinho. O feriado foi de Tiradentes e nada mais justo que aproveitá-lo na cidade que leva seu nome.

Pôs do sol em Tiradentes, vista para Igreja Matriz.

Pôs do sol em Tiradentes, vista para Igreja Matriz.

 

 

São João del Rey, MG.

São João del Rey, MG.

Tiradentes tem 6 mil habitantes, e vive em função do turismo. Suas ruas de pedra, suas igrejas ricamente decoradas, seus guias turísticos de charrete e restaurantes dignos de uma orgia gastronômica. Tudo isso ao redor de muitas lojas de decoração, para os amantes de artigos de casa, lá é uma perdição. Móveis rústicos e finos, produtos de tecelagem e artigos de deixar qualquer casa digna de revista! Além, é claro, daquele jeitinho característico mineiro que te deixa super a vontade.

Igreja Matriz, Tiradentes, MG.

Igreja Matriz, Tiradentes, MG.

A cidade também faz parte da Estrada Real, que ligava Paraty a Ouro Preto e era parte do caminho do ouro, por isso, muitos peregrinos o fazem a pé.

Além de Tiradentes, pra quem vai passar mais que um final de semana, vale a pena visitar duas cidades vizinhas: São João del Rey, que é uma cidade maior, com mais cara de cidade grande (sinal de trânsito, ônibus…), mas que conserva um centro histórico típico mineiro, com igrejas lindas e suntuosas, ruas de pedra e casinhas coloridas que abrigam os vários ateliês espalhados pela cidade. O passeio ocupa meio dia, no máximo um dia inteiro.

A outra cidade, que não chega nem a ser uma cidade, mas um vilarejo gracinha é Bichinho, isso, é esse mesmo o nome do lugar. Nós fomos pela Estrada Real, que alterna entre pedra e terra, mas nos disseram que dá pra ir pela rodovia também. Bichinho é conhecida por ser uma Tiradentes bem menor, ou seja, lá é produzido todo artesanato vendido em Tiradentes. Os artesãos que produzem os móveis e artigos de casa vendidos em Tiradentes, são de Bichinho e abriram suas casas para vender a mesma arte, a um preço mais baixo. Logo, se você vai atrás de jogo americano, jarras de flores, tapeçaria, móveis em madeira… vale a pena passar o dia em Bichinho. Lá é terra batida e muitos carros, ônibus de turismo e muita gente de fora, então prepare a paciência e, caso vá para o almoço, chegue cedo, pois os lugares ficam cheios. Tínhamos indicação pra conhecer o restaurante Tempero da Angela, chegamos por volta de meio dia e já tinham 68 mesas na fila de espera, acabamos almoçando pão com linguiça numa barraquinha.

Imagem

 

Tiradentes, MG.

Tiradentes, MG.

Por fim, um feriado com muitas fotos, muito pão de queijo e doce de leite, e muito sotaque gostoso prô cê!

Bichinho, MG.

Bichinho, MG.

Bichinho, MG.

Bichinho, MG.

 

Tiradentes, MG.

Tiradentes, MG.

 

Tiradentes, MG.

Tiradentes, MG.

Tiradentes, MG.

Tiradentes, MG.

Tiradentes, MG.

Tiradentes, MG.

Tiradentes, MG.

Tiradentes, MG.

Bichinho, MG.

Bichinho, MG.

Doces de Bichinho, Bichinho, MG.

Doces de Bichinho, Bichinho, MG.

 

 

Só hoje.

Nunca fui de meias palavras, meios amores, meios sentimentos. E aí o tempo te ensina que as vezes não é saudável essa intensidade toda.
Era paixão, mas agora virou amor, e isso não necessariamente é ruim, todo mundo precisa viver um amor desprendido de paixão, fogo e daquele tesão que só a paixão é capaz de proporcionar.
Era raiva, mas virou indiferença. Pra quê sobrecarregar nossas vidas com uma coisa tão negativa? A indiferença é melhor pra você, e tem duplo efeito, porque o alvo da sua indiferença vai se incomodar muito mais, eu garanto.
Era ansiedade, virou desilusão. Mas pensa, podia ter virado surpresa, a melhor das surpresas.
Nem tudo vai do jeito que a gente fantasia, e a culpa não é da prova que é difícil demais, do trabalho que é chato, do cara que não ligou no dia seguinte, a culpa é única e exclusivamente da nossa imaginação, que com a ajuda da expectativa, nos levam a um patamar que realidade nenhuma conseguiria alcançar.
Uma vez me falaram que pra que você ache um filme muito bom, basta que mais de uma pessoa lhe diga que achou aquele mesmo filme, uma bosta, perda de tempo e dinheiro jogado fora.
Pronto, pode acreditar, na maioria dos casos, você vai, no mínimo, achar legalzinho. Agora me fala, pra quem já partia do princípio de que era horrível, achar legalzinho é maravilhoso, não?
A gente agüenta insegurança, medo, supera obstáculos, faz limonada até de laranja lima, o que não dá pra suportar é fazer qualquer coisa pela metade.
Ta com vontade? Vai lá, faz, quebra a cara (ou não), mas vive.
Sentiu saudades? Liga pra ela, manda uma mensagem pra ele, diz que ta chegando em dez minutos só pra um abraço de pijama.
Sentiu medo? Pede colo, liga pra avó e pede pra fazer aquele bolo de banana, porque você ta chegando pra assistir a novela com ela, e seu medo vai te deixar em paz por algumas horas.
Achou aquela mulher linda? Fala pra ela. Mas fala direito, como sua mãe te ensinou, fala como se o pai dela tivesse ali do lado, fala como se ela fosse sua, não como se fosse o aperitivo da mesa de bar.
Achou o sorriso dele lindo? Sorri de volta. Poucas coisas agradam mais aos olhos do que um sorriso correspondido, uma covinha aparente e bochechas vermelhas. Ele vai entender o recado.
Sentiu vontade de abraçar? Abraça até faltar o ar, esmaga, sufoca, mas não vira as costas e sai sozinho, com os braços abandoando e a alma carente de carinho, isso não se nega a ninguém.
Sentiu vontade de qualquer coisa? Vai lá e faz.
Essa incerteza só te faz mal. Mas além disso, é pior pra quem espera alguma coisa de você. Se não for por você, faz por ela que espera você aparecer de surpresa, faz por ele que só quer um sorriso em troca.
Escreve o teu livro, e se borrar, arranca a página começa do zero.